sábado, 5 de abril de 2014

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Formar leitores... responsabilidade de quem?
Antes de qualquer colocação vale a pena conferir os vídeos
Ler deveria ser proibido youtube
A importância da leitura youtube
Rubem Alves – O papel do professor youtube

Viram como a leitura é fundamental na formação cognitiva do aluno
Acredito que formar leitores não é uma responsabilidade exclusiva das aulas de Língua Portuguesa, assim como   o aprendizado com relação a produção textual que é uma tarefa tradicionalmente destinada ao professor desta disciplina, embora esta fosse e sempre será uma atribuição que devesse envolver toda a equipe escolar, baseando-se no ensino procedimental
Segundo Rojo (2004) no texto Letramento e capacidades de leitura para a cidadania∗“Ler é melhor que estudar”. Esta é uma opinião quase unânime e compartilhada pela população letrada e pertencente às elites intelectuais brasileiras: intelectuais, professores do ensino fundamental, médio e universitário, jornalistas, comunicadores da mídia. No entanto, a maior parcela de nossa população, embora hoje possa estudar, não chega a ler. A escolarização, no caso da sociedade brasileira, não leva à formação de leitores e produtores de textos proficientes e eficazes e, às vezes, chega mesmo a impedi-la. Ler continua sendo coisa das elites, no início de um novo milênio.
A colocação de Rojo se torna muito pertinente nessa discussão que foca a importância de tornar os discentes aptos a usar a leitura e a escrita em sua vida social, isto é, não basta ensinar apenas a ler e a escrever. Desse modo, penso que é  papel de todo professor, independente da sua área de formação, ter o texto como instrumento de trabalho. Este, por sua vez, deve ocupar lugar de destaque no cotidiano escolar, pois, através do trabalho orientado para leitura, o aluno conseguirá apreender conceitos, apresentar informações novas, comparar pontos de vista, argumentar, etc., caminhando adiante na conquista de sua autonomia no processo de aprendizado. No entanto, o que se observa é que construir competências e habilidades que envolvam a leitura e a produção textual continua sendo  papel atribuído apenas e tão somente aos professores de língua, limitando o espaço do texto na escola e contribuindo para a ineficiência na formação de leitores proficientes.
Há inúmeras estratégias de leitura que os docentes podem explorar tornando suas aulas mais dinâmicas e interessantes, mais este é um assunto para o próximo artigo.
                                              Flaviana Furlan – professora graduada em Letras e pedagogia e especialista em Língua Portuguesa, atuante na E E Dr Carlos Augusto Froelich, Pindorama
                                            Mais novidades sobre educação  no Blog